Swab test - MSC Seaside
Swab test - MSC Seaside

Relato de um cruzeiro durante a pandemia

É seguro viajar de cruzeiro durante uma pandemia?

Todos os protocolos de saúde e segurança divulgados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e pela MSC Cruzeiros serão cumpridos “à risca”?

E a aglomeração como fica?

Vamos ter que usar máscaras na piscina?

Bom, essas e outras perguntas fazemos constantemente e, confesso, nunca tive medo ou qualquer tipo de receio em “cruzeirar” em plena pandemia.

Ora, se podemos viajar de avião sem comprovante “negativo” para a COVID-19, por que não podemos viajar de cruzeiro com esse teste “negativo” obrigatório?

É fato que, com a vacinação brasileira bem adiantada, e com todas as precauções necessárias, pode-se “voltar à normalidade” e realizar as viagens de cruzeiro com segurança.

Para “matar” a vontade de viajar de navio e responder minhas dúvidas, estive recentemente a bordo no MSC Seaside, com embarque e desembarque na cidade de Santos/SP, e vou deixar aqui abaixo um relato de tudo que eu pude acompanhar in loco e (tentar) ajudar vocês a decidirem se vale ou não à pena esse tipo de passeio.

Bora lá?!

MSC Seaside
MSC Seaside chegando em Santos (30 de novembro de 2021) – Imagem: Edu Nogueira

 

Documentação para a viagem

Vou começar, literalmente, pelo começo de tudo.

Após a reserva e compra do cruzeiro, foi necessário checar quais são os documentos obrigatórios para que não houvesse qualquer contratempo, ou negativa, na hora do embarque.

Os documentos exigidos pela MSC Cruzeiros são os seguintes:

  • Documento original com foto (RG, CNH, passaporte, carteira de trabalho, carteira profissional etc)
  • Carteirinha ou Certificado de vacinação completa (original ou emitido pelo Conecte-SUS, Poupatempo etc)
  • Teste negativo para COVID-19 (RT-PCR em até 72 horas antes do embarque ou antígeno até 24 horas antes do embarque)
  • Seguro saúde com cobertura para a COVID-19
  • Questionários de saúde respondidos (do próprio voucher da viagem e da Anvisa)

Todos os passageiros são obrigados a apresentar esses documentos acima, ou seja, “teoricamente” quem embarca no cruzeiro não está contaminado com o coronavírus, certo?

Documentação OK, vamos para o embarque.

 

O embarque

No porto, durante o atendimento para checagem de documentos e despacho de bagagens, os passageiros foram organizados em fila (sem o tal distanciamento obrigatório de 1,5m), mas todos usando máscaras.

Na sua vez, cada grupo era atendido por um funcionário da MSC (que fora testado negativo antes do trabalho), tendo seus documentos verificados e liberados (ou não) para o check-in, no Terminal de Passageiros de Santos / Concais.

O Terminal é amplo, com totens e dispensers de álcool em gel espalhados por todos os lados, sinalização educativa visual e avisos sonoros, para minimização e controle da pandemia. Todos os funcionários e passageiros usando máscaras.

Terminal de Passageiros de Santos / Concais
Terminal de Passageiros de Santos / Concais – Imagem: Edu Nogueira

Fila do check-in “daquele jeito” – tudo junto e misturado mas, pelo menos, de máscaras.

Pegamos um ônibus do Terminal ao Seaside (sentados e sem aglomeração estilo “hora do rush”).

O tão esperado acesso ao navio (aquela escadinha característica que todos temos que tirar uma foto) foi bem tranquilo e organizado.

Sem muvuca, com tripulante “mascarado”, e totem de álcool em gel, a subida a bordo era feita calma, com poucos passageiros na escada – todos tínhamos que esperar os passageiros anteriores subirem, para depois subirmos.

Embarque no MSC Seaside
Embarque no MSC Seaside – Imagem: Edu Nogueira

Até aqui, tudo sob controle e dentro dos protocolos (exceto as filas).

 

Áreas comuns

Como fora liberada somente 75% da capacidade máxima de passageiros do navio, não se via muita aglomeração. Isso foi ótimo!

O navio é enorme. Possui muitas áreas abertas, diversos espaços amplos internos e externos. Dessa forma, tinha-se, de fato, a sensação de menos pessoas e, consequentemente, mais segurança.

Todas as áreas comuns eram higienizadas regularmente, além de possuírem totens com álcool em gel e sinalização visual com o sloganHealth is our priority”.

Sinalização e dispenser de álcool em gel
Sinalização e dispenser de álcool em gel – Imagem: Edu Nogueira

Nos bares, lounges, cafés, teatro etc, havia restrições de ocupação de determinados assentos, a fim de se manter “um certo distanciamento” entre as pessoas. E deu certo!

Nas piscinas e nos bares ao redor, pouco se via passageiros usando máscaras. Até concordo com o fato de que, para tomar sol ou beber um drink, é preciso tirá-las (ou abaixá-las).

Andando de um lado para o outro, pude perceber pessoas circulando com e sem máscaras (ou no queixo), sentadas juntas (se for da mesma família ou grupo, ok), mas tudo sem aglomeração (exceto, novamente, nas filas dos buffets ou desembarque via “tender” – os barquinhos).

No Teatro, eram dados avisos sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras e, caso algum passageiro estivesse sem, eram fornecidas por tripulantes. Ao final do show, as pessoas deixavam o local de forma escalonada, de acordo com a sua fila de assentos.

P.S.: Anteriormente, havia 2 sessões de espetáculo no Teatro. Com a pandemia, esse número aumentou para 3. Era possível reservar seu lugar para determinado horário.

Lounge / Atrium
Lounge / Atrium – Imagem: Edu Nogueira

 

Piazza Grande
Piazza Grande – Imagem: Edu Nogueira

 

Metropolitan Theater
Metropolitan Theater – Imagem: Edu Nogueira

 

Cabine

Sem grandes novidades, exceto o fato de que 2 pares de máscaras descartáveis foram deixadas em envelopes para uso dos passageiros.

Não presenciei a limpeza do quarto, mas acredito que tenha sido mais “caprichada” do que o normal.

 

Treinamento de segurança

Confesso que esse assunto me deixou com muitas dúvidas antes do embarque. Foi sempre aquele momento de muita bagunça e aperto, que tínhamos que ir até nossa Assembly Station (ponto de encontro em caso de evacuação do navio), usando um colete salva-vidas para assistir uma demonstração prática do uso do tal colete.

Aí veio a grata surpresa: Não precisaríamos ir ao local da reunião. Devia-se acompanhar o procedimento pela TV e, depois sim, sem o colete, ir ao ponto de encontro com o cruise card (cartão do navio) para dar “baixa no processo”.

Bom demais! Acho que deveria ser assim para sempre.

Mil vezes melhor!

Mais rápido e dinâmico.

 

Restaurantes

Nos restaurantes à la carte, pude constatar o seguinte:

  • Entrada somente com higienização das mãos (totens, pias ou tripulante com borrifador)
  • Mesas menores para acomodação de somente 1 família ou grupo (ao invés daquelas mesas enormes, onde sentavam vários passageiros desconhecidos)
  • Menus com QRcode, para uso em smartphones
  • Menus em papel (como habitual)
  • Garçons e ajudantes usando máscaras
  • Tempo de espera da comida: “normal”

P.S.: Assim como no Teatro, foram criados 3 turnos de jantar, para melhor distribuição dos passageiros e menos aglomeração.

Mesas para pequenos grupos (Ipanema Restaurant)
Mesas para pequenos grupos (Ipanema Restaurant) – Imagem: Edu Nogueira

 

Menus com QRcode
Menus com QRcode – Imagem: Edu Nogueira

Nos restaurantes self-service, verifiquei:

  • Higienização “obrigatória” das mãos, com uso dos totens ou pia (mas vi muita gente sem higienizá-las)
  • Menus com QRcode, para uso em smartphones
  • Garçons e ajudantes usando máscaras
  • Tripulante entrega a bandeja, os talheres e fornece as bebidas (máquinas)
  • Tripulante fornece o prato e serve os passageiros, por trás do balcão (o passageiro não “toca” na comida exposta)
  • Filas grandes e demoradas (devido esses 2 itens acima), mas nada “tão diferente” do habitual
Atendimento “self-service”
Atendimento “self-service” – Imagem: Edu Nogueira

Em tempos de pandemia, achei essa solução para uso dos restaurantes bem “justa”, mesmo que demorada.

 

Desembarque na(s) cidade(s)

Como de costume, senhas foram distribuídas para os grupos descerem na(s) cidade(s).

Filas grandes e sem distanciamento obrigatório estavam formadas, tanto para o desembarque quanto para o reembarque.

P.S.: Cada cidade deveria apresentar um plano especial para o combate e controle da pandemia.

P.S.2: Não houve aquela “bolha de segurança”, onde somente desceriam passageiros com a compra de excursões fornecidas pelo navio, ou seja, todos podiam descer do navio. E subir de volta, sem nova testagem.

 

Testagem dos passageiros

De acordo com o protocolo emitido pela MSC, haveria monitoramento com testagem diária de passageiros e tripulantes, para a COVID-19.

E houve! Só não sei quantas pessoas fizeram o teste, efetivamente.

Por meio de avisos sonoros, em todos os dias do cruzeiro, passageiros de “um determinado deck” foram convocados para a testagem gratuita.

Testagem gratuita para COVID-19
Testagem gratuita para COVID-19 – Imagem: Edu Nogueira

 

O desembarque final

Igual e normal, sem novidades.

O uso de etiquetas coloridas nas malas, setorizadas por categorias e andares, escalonou os grupos. Cada um descia do navio em horários pré-determinados pela companhia.

Novamente pegamos um ônibus, do Seaside ao Terminal (sentados e sem aglomeração).

No Concais, as bagagens estavam separadas e dispostas em locais definidos.

 

É isso, turma! Espero ter “aberto a mente” de vocês com relação a esse assunto.

Sei que, para muitos, é mais conveniente aguardar o fim da pandemia, mas para quem AMA “cruzeirar”, fica a dica: VÁ SEM MEDO!

Eu fui, testei e aprovei os procedimentos, protocolos e controles.

O método é infalível? Claro que não! Possui falhas, mas dentro das circunstâncias atuais, é o que há de melhor e “mais seguro”.

Espero ter ajudado!

Volto em breve com novas postagens.

*Foto em destaque: Edu Nogueira


Leia também

* Como tirar a Carteira de Vacinação Digital da COVID-19?

* Temporada brasileira 2021/2022 terá 5 navios de cruzeiro

* Por que as crianças adoram o MSC Seaside?

6 comentários

  1. Boa noite! Edu
    Estive contigo neste cruzeiro, excelente sua explanação, só tenho a acrescentar que os elevadores estavam bem ocupados , mas com todos os cruzeiristas usando mascaras.

    1. Olá João.
      Seja bem-vindo ao Blog.
      Sim, realmente, os elevadores, dependendo do horário e da localização (próximos ao restaurante) estavam bem cheios mesmo… Aquelas marcações no piso não “serviam para nada”, né?
      Mas realmente, vi bastante pessoas usando as máscaras e o controle com álcool em gel estava bem rígido (dentro das possibilidades).
      Obrigado pelo feedback. Aquela viagem foi bem especial.
      Abraços
      Edu

  2. Oiii…estive nesse mesmo Cruzeiro, infelizmente nosso grupo testou positivou (sim, o grupo todo, 15 pessoas)…e o suporte foi péssimo!
    Acredito que a MSC deveria ser honesta com todos os passageiros, ocorreu um surto no navio nesse período, mais de 100 passageiros 😔.
    Eu amo cruzeirar, mas, apesar de todos os protocolos o vírus estava e continua presente.

    1. Oi Fernanda.
      Bem-vinda ao Blog.
      Poxa, que triste o seu grupo todo testar positivo pro covid.
      Aquela viagem foi a 1ª do Seaside no Brasil… e entendo que o suporte não tenha sido lá “grande coisa”… vou “acreditar” que hoje já esteja um pouco melhor.
      O vírus, infelizmente, continua presente em todos os lugares, né? E só se sabe da existência deles onde se faz o teste. Em outras palavras: se todos os protocolos de saúde e segurança forem seguidos, o vírus será descoberto, caso contrário, ele fica por aí “escondido” e contaminando milhares de pessoas.
      Obrigado pela visita.
      Volte sempre.
      Edu Nogueira

  3. Olá Edu. Vou fazer um cruzeiro final de março. O comprovante de vacinação precisa levar impresso ou pode apresentar pelo celular ?
    Um grupo que vai comigo o comprovante de vacina não tem CRCODE . A pergunta é: Eles estão usando o aparelho leitura do crcode? Ou só no visual mesmo?

    1. Bom dia, Cláudia.
      Vamos lá…. vou responder por partes:
      – O comprovante de vacinação pode ser das 2 formas (impresso ou no celular), ou seja, leva aquela que for a mais fácil pra vocês.
      – Se vocês levarem a carteirinha de vacinaçao original, não tem problemas se não tiver o QR CODE, mas se levarem em um papel impresso (mesmo sem o QR CODE), seria interessante que fosse de algum órgão oficial do Governo, ok? O QR CODE é importante!
      É isso.
      Qualquer outra dúvida, mande um e-mail para contato@cruzeirarepreciso e eu te ajudo.
      Obrigado
      Edu

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.